Arquivo da tag: #viagem

Caldas Country Show

caldas-country-2014-4

Hoje vou contar sobre esse evento, o maior festival de música sertaneja que vem crescendo a cada ano. O evento é realizado na cidade de Caldas Novas no Estado de Goiás e recebe pessoas do Brasil inteiro, sim Brasil inteiro mesmo, dividi táxi com meninos que estavam vindo do Pará, pegaram 3 conexões para chegar. Uffa! Pra vocês verem como o evento é muito bem falado pelos quatros cantos do País.

  • O que é o evento?

É um festival de música sertaneja, digo o maior, pois reúne os grandes artistas do segmento, além de um trio elétrico com o melhor do axé e nos intervalos os melhores DJ’s.   São no total 30 horas de festa, num esquema open bar para ninguém colocar defeito. Eu achei o evento muito bem organizado.

Para ir ao evento é necessário adquirir ingresso, são vendido 3 tipos de ingressos: Extra Vip, Prime e Mesas.

mapa-caldas-c.-show

Eu fui de Extra Vip e curtir bastante o evento, paguei R$ 290,00 pelo passaporte pelos 2 dias.

*Os valores dos ingressos  alteram a cada ano, valor referente ao ano 2015.

  • Onde acontece?

O evento acontece na cidade de Caldas Novas, no espaço Caldas Park Show, é uns 10 minutos do cen20151102_022055tro da cidade de veículo. Nos dias do evento existem opções de van e ônibus oficial do evento que faz o

traslado até o espaço.

A van custa R$ 10,00 o trajeto
O táxi custa em média R$ 35,00 a corrida

O ônibus oficial custa R$ 50,00 os 2 dias, ida e volta

*Valores base 2015, pode ser que nos próximos anos haja reajuste.

  • Como chegar?

Caldas Novas está a 160 km de distância de Goiânia e a 316 km de distância de Brasília. Você tem a opção de desembarcar em um dos 2 aeroportos, embora Caldas Novas tenha aeroporto, os voos não são frequentes e é o dobro do valor.

De Brasília: Se você optar chegar por Brasília, tem que pegar um táxi do aeroporto até a rodoviária interestadual, uns 15 minutos de táxi, não tem opção de ônibus. E na rodoviária tem o ônibus da empresa AlfaLuz que te leva até Caldas Novas. São 5 horas de viagem e custa R$ 62,00.

Atenção aos horários, pois não são frequentes, o último costuma ser às 20h.

De Goiânia: Se você optar chegar por Goiânia, tem que pegar um táxi para a rodoviária, uns 15 minutos, mas tem a opção de ônibus, se informe no aeroporto. Na rodoviária tem as empresas Estrela e Paraúna que te levam à Caldas Novas. São 3 horas de viagem e custa R$ 32,00.

Atenção aos horários, pois não são frequentes, o último costuma ser às 20h.

Minha experiência: Eu fui por Goiânia cheguei às 22h e não havia mais ônibus com destino a Caldas Novas. A solução foi ir de táxi, a minha sorte é que encontrei 2 meninos que estava na mesma situação que eu, daí dividimos, a corrida custou R$ 300,00 (chorado!).

Ah! Essas empresas que fazem o trajeto não vendem passagem online, somente no balcão. Então atenção, tente casar voo x ônibus.

  • Além do evento, existe alguma coisa na cidade?

Sim! A cidade de Caldas é conhecida pelas suas águas termais e seus parques aquáticos. Durante o dia é possível relaxar nas piscinas e curtir a maior estância hidrotermal do mundo.

FOTO-SPLASH-EXTENDIDA

Vale pena conhecer!

Obs. Todos os valores mencionados são referente ao ano de 2015.

Anúncios

Quero viajar para fora, mas não sei falar outra língua. E agora?

Outras-linguas

Se você acha que não poderá conhecer muitos lugares se não saber falar outras línguas está muito enganado. Claro que saber falar inglês ajuda muito, mas viajei para outros países com meu inglês básico e me virando no portunhol sem problemas.

  • Línguas semelhantes

Existem línguas bem parecidas com o português, como o espanhol e o Italiano. Sei que não é a mesma coisa, mas se falado pausadamente, numa conversa, é possível entender a maioria das palavras. E se não entender, pergunte novamente, use a linguagem de gestos, no máximo isso renderá boas risadas.

  • Usando “Portunhol”

O portunhol é a mistura do português com o espanhol, é o clássico “enrolation”. Ao viajar pehellola América do Sul, principalmente, você pode usar sem problemas, eles vão te entender de boa.

Eu quando fiz o mochilão, consegui me comunicar com os gringos usando o portunhol e o meu inglês
basicão, sem problemas, em geral, os gringos são gente boa e se esforçam para nos entender.

  • Palavras básicas

Aprenda algumas frases básicas de sobrevivência na língua do País que irá visitar, como:

Olá / Tchau

Bom dia / Boa tarde / Boa noite

Obrigada / De nada / Por favor

Sim / Não

Com licença / Desculpa

Quanto custa? / A conta por favor

Não falo … (por exemplo inglês, francês) / Você fala português?

Onde fica…? / Direções: esquerda, direita

Como não dá pra memorizar todo o vocabulário, o resto terá que ser por gestos, que todo mundo entende.

Existem também vários aplicativos para smartphones que poderão servir como o seu tradutor particular. Provavelmente o mais popular e completo é o Google Translate, além de ser gratuito.

O mais importante é não ter medo de errar. Às vezes esquecemos que passamos dois anos de nossas vidas, quando bebês, sem saber falar e mesmo assim conseguíamos nos comunicar. Use as mesmas táticas que usava no passado, poucas palavras e gestos, e vá viajar.

No mais, viajar não é um bicho de sete cabeças e a maior parte dos lugares que visitar as pessoas locais farão o possível pra te entender. Se joga!!

HELLO in eight different languages

Mulheres e mochileiras: Dicas simples de como manter seu mochilão leve e completo

img_6612

Dispostas, aventureiras, de personalidade e cheias de histórias pra contar, mas mesmo assim com a equivocada fama de que precisam levar a casa nas costas, um drama sofrido por diversas mochileiras. O post de hoje é especial para mulheres mochileiras. Traz dicas práticas de como manter alguns itens relacionados a beleza que muitas mulheres consideram importantes, com recursos limitados e mochila leve.

Seu mochilão pode não considerar todos os itens da lista, pois é uma questão muito pessoal, mas possivelmente encontrará algo que ajude a montar o seu, seja você uma mochileira urbana ou rústica.

Higiene com menos peso

Fora os itens básicos de higiene pessoal, levar pinça, espelho pequeno, lenços de papel, acento para vaso sanitário e lenços umedecidos que são multiuso podem ser boas opções e que não pesam na mochila. Existe um produto chamado EcoLenço (um lenço que aumenta de tamanho ao ser molhado) que é bastante útil para mochileiras e ocupa pouco espaço.

Se estiver preocupada com os pés, existe um creme da Granado que ocupa menos espaço que um vidro de talco. Outra dica que vi entre mochileiras é areia para gato, vendida em sacos em petshops e que pode ser levada em pequena quantidade. Estas podem ser adicionadas as meias e calçados de um dia pro outro, eliminando umidade e fungos que causem odor.

Se você é das mochileiras adeptas da depilação, a dica é fazer pouco antes da viagem (se possível) com cera ou a laser que garantem um tempo maior sem preocupação. Se a viagem se estender, a gilete pode ser uma opção. Existe também uma cera fria prática com modelos para o corpo e o rosto.

Se o desodorante fizer parte do seu mochilão, opte pela versão rollon, pois são melhores para carregar pelo tamanho e por evitar derramamento, além de não terem problemas no aeroporto. Se quiser levar perfume, hidratantes mais perfumados protegem e nutrem a pele, dispensando o uso do perfume, reduzindo o peso.

Cabelos

Se você tem preocupação quanto a rebeldia dos cabelos, opte por fazer uma hidratação antes da viagem. Ela ajuda a manter os cabelos protegidos e sem ressecamentos por mais tempo. Ao longo da viagem, uma escova para pentear é suficiente.

Se o shampoo e condicionador forem difíceis para você retirar da mochila, opte por serem menores. Leve consigo sachês que acompanham tintas de cabelo e não ocupam quase nenhum espaço. Não parecem, mas rendem bastante, se bem utilizados. Pode-se optar também por potinhos de amostra grátis e hotel ou por uma quantidade menor em potes antes de viajar.

Para quem consegue encontrar, existem shampoos e condicionadores em embalagens de bisnagas que ocupam pouco espaço e são mais difíceis de derramar.

Mais tranças, menos trabalho. Mochileiras com tranças possuem menos dores de cabeça, além do que elas dão um charme diferente quando usadas com faixas e sofrem menos com os castigos provocados por ventanias e sujeiras. O cabelo se mantém desembaraçado e fácil de lavar.

hairstyle-280169_1280

Maquiagem suficiente

Existem mochileiras que se preocupam com maquiagem, mesmo quando estão viajando. Se você é uma delas, leve um necessaire básico. É suficiente para manter a beleza e ser destaque a noite, se assim desejar. O kit pode ser montado com um lápis de olho preto, um rímel e um gloss. Estes itens podem transformar o cansaço pós-trilha em uma mulher renovada.

Se você gosta de causar maior impacto, a dica é um batom, preferencialmente claro. Se a escolha for rosa, pode servir como blush, economizando espaço. Se quiser ainda mais presença, opte pelo batom vermelho, indicado para viagens urbanas, e que por si só muda muito a aparência do rosto. Batons que funcionam como protetores labiais são mais indicados.

Se considerar o blush indispensável, ao menos opte por um líquido que rende espaço na bolsa. Só não esqueça que seu sorriso, gentileza, educação e simpatia deixarão no chinelo qualquer maquiagem bem produzida.

Unhas

Se você é do time de mochileiras preocupadas com as unhas bonitas, bem pintadas, sem descascar, etc, pode ter grandes dores de cabeça em uma viagem. Sendo assim a dica é simples: apare bem e lixem as unhas antes da viagem e não use esmaltes.

Na bolsa, leve apenas um alicate e uma lixa. Ocupando pouco espaço por ser pequeno. Se quiser, inclua um creme nutritivo para unhas, que mantém as unhas e cutículas hidratadas.

Se achar o esmalte indispensável, opte pelo transparente e use lenços removedores de esmalte para retirar com bastante facilidade. Nada de acetonas, os potes ocupam mais espaço e vazam facilmente.

Sem-título2

Cuidados com a pele

O protetor solar é um grande aliado de qualquer pessoa, mochileiros e mochileiras, pois além da proteção contra o sol, mantém a pele hidratada. A opção de protetor com base ajuda a manter a pele mais uniforme. A manteiga de cacau também é muito importante e além de proteger os lábios, pode ser utilizada próxima ao nariz quando há ressecamento ou rinite.

Se sua pele é mais sensível ao ressecamento, um lenço umedecido é a solução. Em casos mais avançados ou climas que exijam, a pomada Bepantol é uma excelente opção para pele ressecada e/ou rachada.

Sente falta do esfoliante? Use a técnica dos sachês de açúcar conhecida entre muitas mochileiras. Basta misturá-los com seu creme hidratante e aplicar.

Roupas

Para facilitar, opte por roupas leves, que secam rápido, com cores neutras e lisas, e que combinem entre si. Para os pés, um calçado confortável para caminhadas, um chinelo e uma sandália para usar a noite. Entre viajantes é normal ter poucas peças de roupas e ninguém repara nisso.

Para longas caminhadas, use calcinhas mais confortáveis. A dica é utilizar calcinhas-cuecas, similares as boxers masculinas. Um top também é recomendado. Se usa sutiã, escolha os lisos e com alças largas, se possível com menor número de apetrechos e sem aros.

O short é um dos maiores coringas para mochileiras em viagens. Levar shortinho, mesmo que para locais frios, é sempre aconselhado. São híbridos, uma vez que podem ser úteis quando mudar para outros climas; são bem combinados com calças legging; e ocupam pouco espaço.

Vestidos também são muito bem vindos. Opte pelos modelos mais simples e leves, que podem ser uma opção ao longo do dia, como em festas de forma prática.

Acessórios

Ah, os penduricalhos! Estes fazem diferença em seu jeito único e podem mostrar sua personalidade mais do que maiores quantidades de roupas e maquiagens. Tente não exagerar nos acessórios – uma pulseira, um colar e um ou dois brincos em geral são suficientes.

A dica maior, mesmo para meninas que não possuem o hábito, é utilizar lenços, echarpes e headwear. Eles podem ser utilizados para diferentes funções, tanto por vaidade, quanto por proteção, e podem mudar totalmente o visual, além de serem leves e nada espaçosos.

Backpacker Walking on Trail --- Image by © Anthony West/Corbis


Mesmo com todas as dicas, lembre-se que o importante é se sentir bem, independente do que impõe a indústria da moda ou o machismo existente na sociedade. Leve o que for melhor para você e sinta-se bem. Só não esqueça que empanturrar a mochila pode ser uma dor de cabeça (e de ombros) desnecessária quando estiver na estrada.

*Texto escrito por Bernardo Lima, retirado do blog Instinto Viajante.

Viajando sozinha…

Should-women-avoid-travelling-aloneRecebo muitas dúvidas em relação a viajar sozinha, se tenho medo, como faço para lidar com os imprevistos, como escolho os destinos e etc. Hoje vim contar um pouco de como decidi ir viajar sozinha.

Por muitas vezes procurei companhia para minhas viagens, mas por falta de tempo, falta de dinheiro, férias que não coincidiam, abortava meus planos de viagem. Até que um dia resolvi ir sozinha , confesso que não foi a melhor viagem da minha vida, mas tudo bem, até porque para viajar sozinho você tem que aprender como faz. Mas na segunda fui me aperfeiçoando e assim, sucessivamente até hoje, onde eu simplesmente adoro viajar sozinha e vou com todo prazer.

  • Você não tem medo?

Sim, eu tenho. Me lembro que quando fui para a Bolivia estava “morrendo” de medo, mas ao mesmo tempo estava ansiosa para viver aquela experiência.

Pesquise bastante seu destino, leia relatos de pessoas que já foram, mentalize as fotos que você vá fazer no local e exibir para seus amigos. Se deu certo com várias outras pessoas porque não daria com você?!

  • E os imprevistos?

Os imprevistos podem acontecer em qualquer lugar e você não pode se desesperar. Saber lidar com os imprevistos tornará sua viagem muito mais positiva. Analise o que pode fazer para sair da situação.

No meu caso em Machu Picchu perdi o trem e não tinha dinheiro para comprar outro ticket, resolvi apelar para a policia turística e contei o que houve e os policiais foram até a estação me ajudar a conversar com a empresa e negociar outro horário.

Se desesperar, chorar e ligar para os pais não deve ser a primeira alternativa. Afinal,  você está ali para ter novas experiências.

  • Qual o melhor destino para viajar sozinho(a)?

Aquele que você deseja conhecer. Desencane com o lugar perfeito.

Se você tem sonho de ir para um determinado lugar, pesquise bastante, veja o que as pessoas dizem a respeito dele, se sentiu segura e tem grana para bancar a viagem, vá!

Hospede-se em hostel, o que renderá boas amizades para passeios e festas.

  • E se eu me sentir sozinho(a)?

Aproveite para meditar. Hahaha
Brincadeira a parte, mas fazer amizades é muito mais fácil que pensamos. Dizer um Olá ou Hello acompanhado de um sorriso abre muitas portas.

Lembro-me enquanto aguardava minha refeição, no bar do hostel que estava hospedada em La Paz, haviam muitos casais e grupo de amigos, até que vi uma menina no balcão sozinha, resolvi ir falar com ela, e para minha surpresa e alegria, ela era brasileira. Ou seja, não seja tímido(a) e o universo irá conspira ao seu favor.

“A viagem não começa quando percorremos distâncias, mas quando atravessamos nossas fronteiras interiores.”

13 Fotos para você se apaixonar pela Bolívia

Quando decidi ir para à Bolívia, o que mais ouvi era: “Dani, o que você vai fazer lá?”
O que muitos desconhecem é que apesar da infra-estrutura precária, a Bolívia é um destino que nos surpreende tanto por revelar paisagens incríveis. E saibam que as paisagens bolivianas foram as mais lindas que vi até hoje, imagens como fossem pintadas à mão.

Veja abaixo 13 motivos para você também se apaixonar pela Bolívia.

20150318_164352

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

20150319_140438

20150320_104102

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

*Todas as fotos tiradas da minha câmera.

PERU

Relato de Viagem – PERU Bom pessoal como disse no post sobre a Bolivia (clique aqui), esse foi o Mochilão #Bolívia e Peru# feito na segunda quinzena do mês de Março/2014. Agora vou contar a experiência nas terras Peruana. A cotação foi: R$ 1,00 = 0,98 Soles // US$ 1,00 = 3,00 Soles A passagem foi comprada em Novembro/2014 em uma promoção da TAM. O trecho foi: Ida GIG (RJ) x GRU (SP) x Assunção x Sta Cruz (Bolívia) // RetornoLima x GRU (SP) x SDU (RJ). Valor pago: R$ 850,00

1ª dia  Após carimbar a saída da Bolívia, segui caminhando até a imigração do Peru. Aproveitei e troquei meus dólares, já que tinha lido que é a melhor cotação. Daí seguimos viagem até Puno, fizemos uma parada de uns 30min e prosseguirmos  para Cusco.

Entrada no Peru por Puno

Entrada no Peru por Puno

Imigração Puno

Imigração Puno

2º dia  Cheguei em Cusco por volta das 07 da manhã. Peguei um taxi até o Hostel Loki por 10 soles.Deixei as coisas no hostel e sai para pesquisar valores dos passeios para Machu Picchu, aproveitando para conhecer a cidade também. Fiz cotação com várias agências, mas foi a Peruvian Mistical  que me apresentou exatamente o que eu queria (abaixo foto com valor). O Ingresso d Machu Picchu comprei direto no Ministério da Cultura lá em Cusco. Comprei também a passagem Cusco x Lima por 94 dólares. À noite, fui ao barzinho, agreguei algumas amizades, mas achei muito fraco e resolvi ir dormir.

Plaza de Armas

Plaza de Armas

Cusco

Cusco

Cusco

Cusco

Pacote escolhido MP

Pacote escolhido MP

3º dia  Acordei cedo, tomei café e segui para o ponto de encontro para pegar a van até a hidrelétrica. Enrolação vai, enrolação vem e a van saiu as 09:30h de Cusco. Parada para almoço em Sta Tereza e alguns quilômetros dali era o ponto inicial para a trilha até Águas Calientes.

Sobre a trilha…. É bem cansativo, mas nada demais. Segui de boa e no meu ritmo. O caminho é bem fresco e com belas paisagens. O guia alertou sobre o horário que passaria o trem, então próximo ao horário fiquei alerta para não andar sobre os trilhos. Levei 2:30h para chegar à Águas Calientes, com direito a 2 paradas para descanso. Cheguei início da noite, fui até o ponto de encontro que havia marcado com o guia. Meu guia não apareceu, fiz um outro ligar do celular dele para minha agência. Até que apareceu uma menina para me buscar. Me levou até o hotel, que por sinal adorei, e depois me levou onde iria jantar (o jantar também estava incluso no pacote). A menina também me explicou onde encontrar o guia em Machu Picchu e me deu a passagem do trem de retorno até hidrelétrica. Após o jantar, comprei água e uns lanchinhos para o dia seguinte.

Trilha

Trilha

Trilha

Trilha

Trilha

Trilha

Trilha

Trilha

Águas Calientes

Águas Calientes

4º dia   Eis que chega o “grande dia”, dia de conhecer Machu Picchu! Acordei às 04:30h (muito sonooo), tomei café e comecei a caminhada rumo à entrada de MP. Ruas escuras e um pouco desertas, juro que quase desisti quando em uma parte só havia escuridão, então peguei minha lanterna e segui firme no propósito iluminando o caminho. Quando cheguei à entrada havia uma fila.. Uffa pessoas!!  Apresentei o comprovante de compra mais o passaporte e partir daí começou a saga… 1:30h de subida! A subida é bem pesada, aconselho somente para pessoas com bom preparo físico, sofri um pouco, mas me senti realizada quando cheguei. Tudo bem cheguei morta, suada, descabelada, mas economizei 23 dolares. Rsrs Fui ao banheiro, me ajeitei toda e quando voltei a guia já estava aos berros gritando meu nome. O tour guiado em MP durou 2 horas, confesso que entendi pouca coisa, já que a guia falava espanhol muito rápido.  Mas tudo bem, estava feliz por estar ali, e toda aquela explicação o google me fornece. Rsrs Mas vem a parte chata, o tempo fechou, apareceram as neblinas e começou a chover. Voltei para a entrada do parque para debaixo uma cobertura, aproveitei o momento para conhecer pessoas e carimbar o passaporte. Conheci 2 brasileiras super gente finas, a Erika e a Fernanda. A Erika depois nos reencontramos em Cusco e fizemos alguns passeios juntas. A chuva parou e eu fui tentar tirar algumas fotos… a neblina avacalhou um pouco, mas adorei ter conhecido aquele lugar, foto nenhuma consegue explicar a incrível paisagem do lugar.

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu

A guia

A guia

Machu Picchu

Machu Picchu

Ok. Hora de ir embora, já que tinha que pegar o trem de volta. Desci a pé também MP, aí foi mais rápido, durou uns 50 minutos a descida. Fui ao hotel peguei minhas coisas e fui para “estação” aguardar o trem. Neste momento começa o maior perregue da viagem…. Eu fui para o lugar errado de pegar o trem, contudo o guardinha me assegurou que o trem parava ali, o que era mentira,  e com isso perdi o trem. Depois de barracos, choro e polícia consegui pegar o trem, só que agora direto para Cusco. (Essa história completa vou contar no post sobre os perregues da viagem). Cheguei em Cusco por volta das 21h, no trem conheci uma senhora muito simpática por sinal que me ofereceu carona até a subida do hostel. Cheguei no hostel tomei banho e fui dormir, o dia foi muito cansativo.

5º dia  Este era o último dia em Cusco e resolvi andar pela cidade. Logo pela manhã a Erika, aquela menina que conheci em Machu Picchu me mandou um mensagem para almoçarmos juntas. Encontramos-nos na Praça das Armas, tiramos algumas fotos, almoçamos e depois negociamos o city tour por 10 soles cada.

Sobre o City Tour… É um passeio bem legal, passa por diversos pontos turísticos da cidade. É ótimo para quem tem pouco tempo e quer conhecer a cidade. Acredito que durou umas 2 horas o passeio. Gostei muito e indico!

Cusco

Cusco

City tour

City tour

Cristo Blanco

Cristo Blanco

Cristo Blanco

Cristo Blanco

Vista panorâmica

Vista panorâmica

Cusco

Cusco

Final do city tour estava um friozinho e resolvemos tomar um café.  Após voltei para meu hostel para descansar, havia combinado com a Erika de irmos para balada à noite. Por volta das 22h me arrumei, estava muito frio por sinal, e fui ao encontro da Erika para irmos à  Mamma Africa. Uma balada bem legal, músicas boas e pessoas bonitas. Depois dei uma passada também nas danceterias Mythology e Inka Team.  A noite foi bem divertida, fiz algumas amizades com estrangeiros e nativos. 20150329_023348

Balada Mamma Africa

Balada Mamma Africa

6º dia  Era o dia de ir embora de Cusco, acordei cedo, tomei café, fiz check out e fui para o aeroporto com destino a Lima. Voei pela Star Peru por 95 dólares o trecho, havia comprado em Cusco. Embora pequeno o avião, o serviço de bordo foi bom. Cheguei em Lima às 13h. Como não havia mais dinheiro suficiente para pegar taxi, resolvi me aventurar e pegar uma van. Informei-me no aeroporto e indicaram qual pegar. Fiquei um pouco com medo, mas até que foi tranquilo. Paguei 4 soles com duração de 50min a viagem até Miraflores. Era domingo e o trânsito estava bom. Fiquei no Loki Hostel Lima, quarto compartilhado e banheiro privativo. Embora o quarto fosse para 12 pessoas, foi bem tranquila a estadia. Com o check in feito, saí para conhecer a cidade. Fui ao Parque Kennedy, caminhei até o Shopping Lacomar, depois fui ao Parque do Amor. À noite fui conhecer o Parque das Águas, me encantei com o belíssimo lugar.

Parque Kennedy

Parque Kennedy

Lima

Lima

Shopping Lacomar

Shopping Lacomar

Lima

Lima

Parque Del Amor

Parque Del Amor

Parque de La Reserva

Parque de La Reserva

Parque das Águas

Parque das Águas

Parque das Águas

Parque das Águas

Parque das Águas

Parque das Águas

7º dia   Dia da partida e fim da trip. Fui para o aeroporto de van, foi tranquilo também. O voo decolou às 12h. Voei pela Tam, serviço de bordo foi ótimo. Cheguei em São Paulo às 19h e segui para o aeroporto de Congonhas para pegar o voo para o RJ. Foi uma viagem maravilhosa, tive poucos perregues e muitas alegrias.  A trip foi perfeita!

BOLÍVIA

Relato de Viagem – BOLÍVIA

Bom pessoal chegou a hora de conta como foi o Mochilão #Bolívia e Peru# feito na segunda quinzena do mês de Março/2014.

Primeiro vou contar a experiência nas terras bolivianas.

A cotação foi: R$ 1,00 = 2 Bolivianos // US$ 1,00 = 6,90 Bolivianos

A passagem foi comprada em Novembro/2014 em uma promoção da TAM. O trecho foi: Ida GIG (RJ) x GRU (SP) x Assunção x Sta Cruz (Bolívia) // RetornoLima x GRU (SP) x SDU (RJ). Valor pago: R$ 850,00

1º dia

Cheguei por Sta Cruz de La Sierra no dia 16 por volta das 12:00h. No aeroporto mesmo comprei a passagem de avião para Sucre, que sairia às 16h e custou 393 bolivianos  pela cia Amaszonas. O voo foi bem tranquilo e com direito bebidas oferecidas pela cia aérea, porém o voo atrasou e cheguei  às 18h em Sucre. Peguei um táxi para o centro e lá achei um hostel para se hospedar. Fiquei no Hostel  Las Torres, paguei  60 Bolivianos num quarto compartilhado. Andei um pouco pela cidade, tirei umas fotos, entrei em algumas lojinhas e cambiei alguns reais.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Chegada em Sucre

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Sucre

2º dia

Pela manhã peguei um táxi e segui para a rodoviária comprar passagem para Uyuni. Comprei passagem direto pela empresa 6 de Octubre, paguei 60 bolivianos + 2 bolivianos de taxa de embarque. A viagem durou 12 horas e com 1 parada. Cheguei em Sucre às  17h e fui atrás de um hostel, estava tudo lotado, fiquei no Hotel Kory Wasy. Paguei 100 bolivianos em um quarto privado com café da manhã. Fiz amizade com o atendente do hotel e ele me levou para comprar a passagem de Uyuni para La Paz (preferi comprar antes com medo de não ter depois que voltasse do tour pelo Salar) e depois fomos ao um barzinho badalado da cidade. Curti bastante.

Ônibus direto para Uyuni

Ônibus direto para Uyuni

Fazendo amizades

Fazendo amizades

Mojito, Fernet e hambúrguer de lhama.

Mojito, Fernet e hambúrguer de lhama.

20150317_213107

3º dia

Acordei cedo e fui atrás da agência para o passeio. Pesquisei algumas, mas achei o melhor custo-benefício a Expemsa. Paguei 750 bolivianos por 3 dias de tour pelo Salar, com todas as refeições (café, almoço, lanche e jantar),  hospedagem (adorei os alojamentos que ficamos) e guia (bem atencioso).

O tour saiu às 10:30h e primeira parada foi o cemitério dos trens. Mas o que é esse lugar Dani? Nada mais é do que um ferro velho com máquinas ferroviárias abandonadas, tão enferrujadas pelo tempo que chegam a ser bonitas.  Este lugar rende ótimas fotinhas.

Após fomos ao um povoado chamado Colchani, o lugar para extorquir turistas rs. Visitei o museu de sal e só! Não comprei nada, tudo muito caro.

Cemitério dos trens

Cemitério dos trens

Cemitério dos trens

Cemitério dos trens

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Museu de sal

Depois seguimos para o tão esperado deserto de Sal, a maior planície de sal do mundo!

Fui em época de chuva e havia uma parte com água onde dava o famoso efeito espelhado.  É um espetáculo!!

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Salar de Uyuni

Conhecemos a Ilha Del Pescado, onde tem cactos enormes de cerca 10 metros. Paga-se 30bolivianos para subir, eu não paguei, achei muito sem graça, dei a volta pela ilha e consegui tirar umas fotos legais.

Isla del Pescado

Isla del Pescado

Terminando o dia, seguimos para o alojamento da primeira noite. Foi um hotel bem bacana (não era o hotel de sal), porém paga-se 10 bolivianos para tomar banho. O quarto era duplo e possuía uma tomada para carregar celulares e máquinas. Tomei banho, jantei e caí na cama, estava muito cansada.

4º dia

Acordamos às 7 da manhã , tomamos café e saímos para mais um dia. Dia de conhecer as lagoas e lagos, montanhas, flora e fauna da região.

Passamos pelo Mirador Volcan Ollage, Laguna Hedionda, Arbol de Piedra e a Laguna Colorada.

Mirador Volcan Ollage

Mirador Volcan Ollage

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Laguna Hedionda

Laguna Hedionda

Laguna Hedionda

Arbol del piedra

Arbol del piedra

Laguna Honda

Laguna Honda

Obs. A laguna Colorada fica no parque e paga-se 150 bolivianos para entrar. Contudo não tem como fugir do pagamento porque o dia seguinte é todo dentro do parque.

A laguna Colorada é a última parada, após a visita fomos para o alojamento.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Laguna Colorada

Laguna Colorada

Laguna Colorada

O jantar foi bacaninha, fiz amizade com um outro grupo que estava no alojamento, saímos quando escureceu para ver o céu, mas estava muito frio e resolvemos voltar. Essa foi a noite mais fria que tive na minha vida… Dormi com 3 meias, 2 calças, 3 blusas e mais um casaco, gorro, luvas, saco de dormir e ainda senti frio!

Esse dia a luz encerra-se às 22h.

5º dia

Esse era meu quinto dia na Bolívia, mas o terceiro e último no tour do Salar. Foi o dia que eu mais gostei, não só porque vi neve pela primeira vez, mas também porque vi paisagens que nunca tinha visto antes, imagens como se fossem pintadas à mão.

Acordamos às 4 da manhã, sem luz tá, daí a importância de levar lanterna. Tomamos café e saímos para mais um dia.

Primeiro fomos aos gêiseres (pequenos vulcões em erupções). E para nossa surpresa… Tinha nevado!!! Estava tudo branquinho e lindo.

Paramos no caminho para algumas fotos na neve, depois seguimos para  águas termais. Não entrei porque estava muito frio.

Após seguimos para a Laguna Verde, mas… ôu ôu.. estava com neblina não conseguimos ver nada. Hasteg chateie rs.

Geisers

Geisers

Geisers

Geisers

Neve

Neve

Águas termais

Águas termais

Hora de voltar para Uyuni. No caminho fizemos 3 paradas, Villa Mar para almoçar, depois Valle das Rocas e no povoado de San Cristobal.

Chegamos em Uyuni às 17:30h e feliz por ter vivido tudo aquilo.

Fui até uma lan house para dar oi para família e amigos e dizer que estava viva,  depois jantei e segui para o terminal pegar o ônibus para La Paz que sairia às 20h.

Sobre o ônibus para La Paz… comprei pela empresa Panamericana. No dia que comprei me mostraram um ônibus , chegando lá o ônibus era outro, um velho e fedido, cheguei a pegar meu dinheiro de volta, mas todas as outras empresas estava sem vaga, aí não tive outra opção, fui nele mesmo, mas até que não foi tão ruim assim, dormi a maior parte da viagem que durou cerca de 10 horas até La paz.

6º dia

De La Paz peguei um táxi e fui para o Loki Hostel, já tinha combinado com a galera que conheci no Salar.

Fiz o check in, descansei um pouco, e na parte da tarde fui passear pela cidade, fechei o passeio para o dia seguinte (Downhill) e também comprei umas “coisinhas” na feirinha.

À noite fui ao bar. Conheci uma galera bem legal, foi muito animada essa noite.

La Paz

La Paz

Bar do Hostel Loki

Bar do Hostel Loki

7ª dia

Acordei bem cedo, às 07h da manhã para ir ao passeio Dohwnhill – Estrada de la muerte.

Sobre o passeio… Achei  bem legal, uma aventura em tanto. Contudo não me achei segura em nenhum momento, as estradas tem muitas pedras, a qualquer momento você pode cair, se estabacar no chão e até mesmo cair precipício abaixo… (exagerei né?! Rs mas essa foi a sensação do percurso). Gostei pra caramba, mas não faria novamente.  Ah! Levei 2 tombos para dar mais emoção ao passeio. Hahaha

Retornei ao hotel por volta das 18h. Tomei banho, descansei um pouco e fui para o bar do hostel curtir a última noite (em La Paz).

Dowhill

Dowhill

Estrada del la muerte

Estrada del la muerte

Dowhill

Dowhill

Fim do passeio

Fim do passeio

8º dia

Esse dia acordei às 08h e segui destino a Copacabana. Resolvi ir pelo caminho alternativo:  Táxi até o cemitério (15 bolivianos) e depois van até Copacabana (20 bolivianos). Em uma parte do trajeto para Copacabana é necessário atravessar o lago Titicaca, isto é, todos saem da van e pegam um barco até o outro lado e o ônibus segue por balsa. Paga-se uma taxa de 2 bolivianos pela travessia.

Após 3 horas e meia cheguei a Copacabana. Cidade pequena, mas é um charme. Como meu roteiro estava apertado, resolvi ir direto para a Isla del Sol. Peguei o barco das 14horas que custou 25bolivianos.

Cidade de Copacabana

Cidade de Copacabana

Copacabana

Copacabana

Viagem de barco até Isla del Sol

Viagem de barco até Isla del Sol

Na chegada, um monte de gente vem te oferecer hospedagem, fui a uns 3 lugares para ver as condições, mas te digo, tudo muito simples, não espere luxo. Peguei um quarto individual com banheiro compartilhado por 25bolivianos em frente à praia.

Fiz a trilha para conhecer os pontos principais da ilha, vi o por do sol e retornei quando começou a escurecer. Jantei a famosa trucha do lago e fui dormi ao som do mar…

O silêncio, a tranquilidade e as belezas naturais são sem dúvida uma marca fortíssima da Isla. Como eu queria poder ficar mais….

Isla

Isla

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Trucha do lago

Trucha do lago

9º dia

Dia de dar adeus a Isla, voltar para Copacabana e pegar ônibus para Cusco.

Acordei, tomei café e peguei um solzinho na praia enquanto aguardava o horário de ir embora. Meu barco era das 13h.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Em Copacabana, me informei sobre onde sairia o ônibus para Cusco, este já havia comprando antes de ir para Isla com medo de acabarem as vagas, paguei 120bolivianos pela empresa Titicaca. Depois fui à lan house dar oi para a família/ amigos e almoçar.

O ônibus para Cusco saiu às 18h. Poucos metros dali já tínhamos que fazer o trâmite de imigração.

(Continua …clique aqui)